ZÉNITE: Quadros de um Grande Jogo Poético

Filipe Baptista

26 · 27 · 28 NOV 2021 • Exposição

Cine-Teatro Garrett • Sala de Actos
Portugal
Vídeo / Instalação / Movimento
35 min • M/12 • Entrada livre

Sinopse

“ZÉNITE: Quadros de um Grande Jogo Poético” é um projecto audiovisual de Filipe Baptista composto por uma série de treze vídeos, que pode ser vista como uma galeria de quadros em movimento. Em cada quadro vemos um corpo-paisagem, materializado pela figura de um intérprete. O movimento dos corpos e as palavras que deles ecoam servem de matéria-prima para pintar, com a imagem e com o som, este conjunto de pequenos poemas visuais.

Ficha Técnica e Artística

Conceito, edição de vídeo e espaço sonoro Filipe Baptista
Interpretação André de Campos, Beatriz Dias, Érica Rodrigues, Filipe Baptista, Hugo Olim, Mariana Guarda, Mário Coelho, Nádia Yracema, Pedro Baptista, Rita Rocha Silva, Teresa Santos, Teresa Vilhena Moreira, Sara Baptista
Apoios UmColectivo, Rua das Gaivotas6

Biografia

Nascido em Lisboa, Filipe Baptista começou o seu percurso artístico como bailarino em 2008 através das danças urbanas. Em 2011 inicia a sua formação em dança contemporânea e performance, da qual destaca nomes como David Zambrano, Peter Michael Dietz, Jonathan Burrows, entre outres. Trabalhou em criações de Madalena Victorino, Malavoadora, Kwenda Lima, Amálgama Companhia de Dança, Mário Coelho e Pedro Baptista.
Criou o solo de dança “Between a Rock and a Hard Place”; apresentado no IX Festival Internacional de Solos de Dança Contemporânea (Malaposta). Colaborou com Mário Coelho facultando apoio à criação e ao movimento na peça “É Difícil Para Mim Dançar!”. Criou o projecto de video-instalação “ZÉNITE: Quadros de um Grande Jogo Poético”, que estreou no Festival A Salto 2020, em Elvas. Em 2021, é convidado enquanto criador para o projeto de curadoria All Tomorrow’s Parties, onde criou e apresentou a performance “ATMA_0.7”. Atualmente trabalha num novo solo de dança-performance intitulado “NADIR”.