Contos e Lenga‐Lendas

Gil Dionísio

22 NOV 2019 • 22h10

Cine-Teatro Garrett • Sub-palco
Portugal
Música / Teatro / Movimento
≈ 75 min • M/6 • 7€
COMPRAR BILHETE

Sinopse

“Contos e Lenga-Lendas” é uma série de concertos e gravações criadas por Gil Dionísio.

Concertos para violino e contos cantados. Melodias, cantigas e lenga-lendas criadas a partir dos muitos mundos de Dionísio. Cada peça um conto, cada conto uma história. E para cada história surgem canções, sinfonias e sons para um violino que bebe de uma música clássica que não quer ser antiga, da música tradicional um pouco de todo o mundo e de um jazz quase esquecido: inspirado na ideia do solo, do solista e das histórias que se contam quando não há rede.

Contos em malabarismo e histórias que aparecem, sempre, quando menos se espera. Tramas e narrativas para escutar. Quanto às cores, depende da história e da disposição do violino, que se chama Baby.

Ficha Técnica e Artística

Textos e música Gil Dionísio
Fotografia Teresa Lopes da Silva
Apoio Olympo Editora

Biografia

Artista multidisciplinar autodidacta, letrista e contador de histórias, multi-instrumentista e showman irremediável. Criador com um leque de propostas que oscilam entre a escrita, o vídeo, o som e a composição para os mais variados mediums, com foco na música (em especial o violino, voz e piano) e as muitas artes performativas, do teatro à dança.
Envolvido no agitado movimento do exótico underground lisboeta, com duas editoras e uma promotora, Dionísio multiplica-se nas muitas cores e paisagens das já várias companhias, grupos, bandas e projectos que continuam incessantemente a produzir, há já quase uma década. Com tours regulares em Portugal e fora do país, com destaque para projectos como a Criatura (dedicada a uma nova música tradicional portuguesa, profundamente envolvidos com o Cante Alentejano de Serpa), os Pás de Problème (aclamados pelo público e imprensa como um dos melhores live acts em Portugal) ou o envolvimento com artistas como o actor Miguel Borges, o encenador João Garcia Miguel ou a coreógrafa Clara Andermatt.
Fora do palco existe ainda um vasto trabalho de imagem, de vídeo, e uma panóplia de letras e textos, com especial destaque à escrita de contos. Nos últimos anos dedica muito do seu tempo ao ensino, à formação e ao serviço educativo um pouco por todo o país.